Home  |  Contato Conosco  |  Quem Somos  |  Blog  |  Links Úteis


                        
ECOLOGIA E NATUREZA EM SHAWMARI


Reserva de Shawmari
 

A Reserva de Shawmari é um centro de reprodução de algumas das espécies mais em perigo e raras da vida animal do Médio Oriente. Nesta pequena reserva, há uma grande concentração de oryxes árabes, uma espécie que já esteve à beira da extinção. Também há avestruzes, hemíonos e graciosas gazelas do deserto. A população destes animais está a recuperar neste porto de abrigo onde estão protegidos dos caçadores e da destruição do habitat que ameaçavam a sua existência.

A Reserva de Shawmari tem uma variedade rica de plantas do deserto, porque a vegetação dentro da reserva está protegida do pasto intensivo das ovelhas e das cabras fora do seu perímetro. Shawmari contém um grande número de espécies de plantas, incluindo a Atriplex, alimento natural dos hemíonos e oryxes.



ECOLOGIA E NATUREZA EM SHAWMARI

Reserva de Shawmari A Reserva de Shawmari é um centro de reprodução de algumas das espécies mais em perigo e raras da vida animal do Médio Oriente. Nesta pequena reserva, há uma grande concentração de oryxes árabes, uma espécie que já esteve à beira da extinção. Também há avestruzes, hemíonos e graciosas gazelas do deserto. A população destes animais está a recuperar neste porto de abrigo onde estão protegidos dos caçadores e da destruição do habitat que ameaçavam a sua existência. A Reserva de Shawmari tem uma variedade rica de plantas do deserto, porque a vegetação dentro da reserva está protegida do pasto intensivo das ovelhas e das cabras fora do seu perímetro. Shawmari contém um grande número de espécies de plantas, incluindo a Atriplex, alimento natural dos hemíonos e oryxes. Visitantes e instalações:
 

Centro de Informação ao Turista: é um ponto de recepção de visitantes onde podem encontrar informações e brochuras sobre a Reserva. Também há uma Loja do Turista onde se vendem recordações feitas na região, como por exemplo artigos de prata, ovos de avestruz decorados e produtos feitos a partir do junco.
 

Centro dos Visitantes: tem um pequeno museu com uma variedade de materiais interactivos, apresentações de diapositivos e vídeos sobre a história e a vida selvagem da reserva. Fora do Centro há um espaço para fazer piqueniques e um recreio.
 

Torre de Observação: ver a vida selvagem é uma actividade entusiasmante para os amantes da natureza. A Torre de Observação é um local ideal a partir do qual podemos ver os vários animais da Reserva, como por exemplo o oryx, que pode ser visto de manhã cedo, preferencialmente. Este local também é excelente para observar aves, especialmente durante a época das migrações.
 

Safari do Oryx: os visitantes têm a oportunidade de fazer um safari para ver em primeira mão os resultados no terreno dos esforços de salvamento internacionais envidados para salvar estes animais ameaçados. Os safaris na zona do oryx podem ser feitos nos veículos da SRPN.
 

Recintos de reprodução: de Shawmari também têm um pequeno jardim zoológico, o que faz da Reserva um local popular para as crianças e para as visitas de estudo escolares..
 

Campo Shawmari: o campo está situado na ponta leste do Centro da Natureza. Tem actualmente 10 tendas (acomodam 40 pessoas por noite). Cada uma está equipada com colchões, almofadas e lençóis. Há chuveiros e casas de banho nas imediações. As instalações são simples mas asseadas. Poderá ser fornecida a alimentação e as bebidas, se necessário. O campo está aberto o ano inteiro as as suas instalações estão actualmente a ser ampliadas.



Vida selvagem de Shawmari
 

Oryx
 



O oryx é um elegante antílope branco, um dos poucos mamíferos autóctones da Península Arábica. Entrou em extinção na Jordânia por volta dos anos 20 do século XX, em resultado da caça intensiva pela sua carne, pele e chifres.

O incessante alcance e potência das armas de fogo e os veículos a motor ditaram a destruição do oryx. Uma montaria em Omã matou o último oryx em estado selvagem, em 1972. Felizmente que dez anos antes a Sociedade para a Preservação da Flora e da Fauna e o Fundo Mundial da Vida Selvagem lançaram uma campanha internacional para salvar o oryx chamada "Operação Oryx". Uma Manada Mundial de Sobreviventes estabeleceu-se nos EUA com três animais de Omã, um do Jardim Zoológico de Londres, um do Kuwait e quatro da Arábia Saudita. Esta manada tem aumentado constantemente o número de elementos e a SRPN propôs que o oryx seja introduzido no seu habitat natural, no Deserto da Arábia.

Em 1978 , foram trazidos onze oryxes para Shawmari. O número aumentou para uns impressionantes 200. O êxito da Operação Oryx foi tal que, presentemente, a Jordânia envia oryxes para outros países árabes que estão a realizar programas de reintrodução. Em inícios de 2002, uma pequena manada de oryxes foi transportada para um recinto especial em Wadi Rum, como parte de um plano a longo prazo para devolvê-los à vida selvagem. Esta devolução é a primeira tentativa, após a sua extinção na Jordânia, para reintroduzi-los nos seu habitat natural.



O oryx sofreu uma série de evoluções que fazem com que esteja muito bem adaptado à vida no deserto. A sua pelagem de um branco brilhante reflecte o sol, ajudando-os a manterem-se frescos. Podem passar longos períodos de tempo sem beber (onze meses é o maior período de tempo registado), porque conseguem obter a água de que precisam no orvalho nocturno das plantas do deserto.

O nome oryx deriva de uma palavra grega que significa "picareta", o que descreve bem os animais com chifres longos e pontiagudos. Estes chifres são usados na auto-defesa contra os predadores e para lutar entre si. Normalmente, isto acontece quando o líder da manada é desafiado por um jovem macho, após cerca de um ano de domínio. O mais jovem, não raro, substitui o líder mais velho nesta constante luta pelo poder.
 

Avestruz



A avestruz é a maior ave do mundo - uma fabulosa criatura desajeitada que passeava pelas zonas desérticas de África, do Médio Oriente e do Sudeste Asiático. Infelizmente, a avestruz síria nativa está extinta devido à caça intensiva e sem restrições.
 

O Programa de Reprodução de Avestruzes em Shawmari começou com três avestruzes de pescoço azul vindas do Jardim Zoológico da Cidade de Oklahoma, nos EUA. Este número foi complementado por outras espécies de aves e, através de criteriosos acasalamentos, hoje o número excede os 30.

Devido ao seu tamanho e peso elevados, a avestruz não consegue voar. Depende, ao invés, da sua velocidade de corrida para fugir aos predadores. É o animal de duas pernas mais rápido do mundo, capaz de chegar aos 60 km/h em menos de 2 segundos!

As avestruzes às vezes "dançam a valsa" quando estão animadas. Correm em círculos com as asas abertas e às vezes ficam tontas ao ponto de caírem! Por isso, a avestruz tem tendência a partir as patas.

A expressão habitual que diz que as avestruzes enterram as cabeças na areia não corresponde à realidade. Porém, sabemos que deitam o pescoço e o corpo no chão, quando confrontadas com o perigo.
 

Gazelas

As gazelas são pequenos e ágeis antílopes de cauda curta. Há algumas gazelas do deserto que vivem juntamente com os oryxes dentro dos limites da reserva. Infelizmente, algumas morreram e outras fugiram, ficando apenas duas na reserva..

Hemíonos

Os hemíonos podem ser vistos em cativeiro num amplo recinto em Shawmari. Originariamente, havia apenas dois hemíonos que foram doados à reserva pelo Parque Nacional de Montpelier, no sul de França. Os hemíonos estão adaptados às duras condições do deserto, pois conseguem passar muito tempo sem beber água.

Outros mamíferos

Em Shawmari, podemos ver ocasionalmente os seguintes mamíferos: raposas-vermelhas, linces-do-deserto, lebres-do-cabo, chacais e gatos-bravos.